Sim, Dói
Angela Rô Rô

Sim, dói
Não é que, às vezes, o sim dói!
Não é que, às vezes, amar rói!
As cordas do violão e a canção

Sim, nega
Não é que, às vezes, ver cega
Não é que chamam de obsessão
As tramas de uma paixão, emoção

Enfim, fui eu que armei a cilada pra mim
Enfim, não me conformei que houvesse um fim

Sim dói, a lua e os namorados
Sozinha ambos os lados
Moeda da solidão, rejeição

Sim não sim não
Tatua a mão e esfrega
na minha pele e nega
Que você sente tesão, que aflição

Enfim, pode fugir porque foi tão ruim
Por fim, sorria com os olhos se lembrar de mim

Sorria, você está na barra!
Que barra, Bjork... Bye bye bye bye...