Pagode em Brasília
Eduardo Costa

Quem tem mulher que namora
quem tem burro empacador
quem tem a roça no mato, me chame
que jeito eu dou
eu tiro a roça do mato, sua lavoura melhora
e o burro empacador eu corto ele de espora,
e a mulher namoradeira eu passo o couro e mando embora
Tem prisioneiro inocente no fundo de uma prisão,
tem muita sogra encrenqueira e tem violeiro embrulhão
pro prisioneiro inocente eu arranjo advogado
e a sogra encrenqueira eu dou de laço dobrado
e o violeiro embrulhão com meus versos estão quebrados
Bahia deu Rui Barbosa
Rio Grande deu Getúlio
Em Minas deu Juscelino
de São Paulo eu me orgulho
baiano não nasce burro e gaúcho é o rei da Coxilha
Paulista ninguém contesta, é um brasileiro que brilha
Quero ver cabra de peito pra fazer outra Brasília
No Estado de Goiás meu pagode está mandando
No Bazar do Valdomiro em Brasília é o soberano
No repique da viola balanceia o chão goiano
Vou fazer a retirada e despedir dos paulistano

Adeus, que eu já vou me embora que Goiás tá me chamando