Vou Pro Boteco Beber
Eduardo Costa

Cada vez que ela se vai
Eu quase morro de saudade
Fico buscando consolo
Pelas ruas da cidade
Vivo andando sozinho
E me entregando a bebendo
E morrendo de saudade
Do amor dessa bandida

Toda vez que a gente briga
É o mesmo pesadelo
A vida vira um inferno
Quase entro em desespero
E sempre a mesma história
Eu entrando numa fria
Vivendo de bar em bar
Bebendo minha agonia
E sofrendo como um louco
Vendo amanhecer o dia

Ai ai ai ai

Daria a vida para poder esquecer
Se ela não volta
Não tem mais graça viver
Peço pra Deus para me deixar morrer

Ai ai ai

É muito tenso eu ter que gostar sozinho
O que eu quero é um pouco de carinho
Enquanto isso eu vou pro boteco beber

Toda vez que a gente briga
É o mesmo pesadelo
A vida vira um inferno
Quase entro em desespero
E sempre a mesma história
Eu entrando numa fria
Vivendo de bar em bar
Bebendo minha agonia
E sofrendo como um louco
Vendo amanhecer o dia

Ai ai ai ai

Daria a vida para poder esquecer
Se ela não volta
Não tem mais graça viver
Peço pra Deus para me deixar morrer

Ai ai ai ai

É muito tenso eu ter que gostar sozinho
O que eu quero é um pouco de carinho
Enquanto isso eu vou pro boteco beber