8
Emicida

Tipo central do Brasil, eu vou sozin'
O espaço é o que faz o caminho
Louvou pixaim, axé Ossaim
A trilha dos outro vai só até onde os outro já foi
De oreia seca à oreia quente
Saudade de passar batido, tipo a morte dos inocente
Cabeça fria, coração fervente
É, a trinta ano todo ano é ano da serpente
Não era amor, era cilada
As voz que não era nóiz levou multidão por nada
O fardo é foda, não é conta de fada
Combinação explosiva, mente subversiva
Mas cor de madrugada, terra do 'alise, tinge'
Finge que segregação é ficção tipo Fringe
Assim rancaram o nariz da esfinge
Maluco, cabo essa porra de "o que vem de baixo não te atinge"
Truco!

(Entre o sucesso e a lama)
(Pertenço aqui que loucura)
(Entre o sucesso e a lama)
(Pobre ficou com a sorte)
(Entre o sucesso e a lama)
(O preto vê mil chances de morrer)
(Entre o sucesso e a lama)
(Quem não se acostumar com sistema enfrenta eles)

Se pã, meninos perdidos, Peter Pan
No tempo de consumo absurdo ninguém é de ninguém
Todo mundo quer tudo
Gente, cês ainda são um Auto do Gil Vicente
Na matilha os lobo chega, uiva
Queda da Bastilha, o sangue brilha igual o pelo das ruiva
Na falta de Machado de Assis, de Xangô
Vai sobrar martelo de juiz, de doutor
A tristeza deforma os rosto aqui
Aqui, entre o que não te deixa sonhar
E que não te deixa dormir
Cicatriz, Doctor Doom, gibi
Criei meu mundo tipo Rafael Draccon e sumi
Nóiz nunca entendeu essa história manca
Sangue índio, suor preto e as igreja branca
Jogando na retranca querendo que os menó respeita
Os professô que polícia espanca

(Entre o sucesso e a lama)
(Pertenço aqui que loucura)
(Entre o sucesso e a lama)
(Pobre ficou com a sorte)
(Entre o sucesso e a lama)
(O preto vê mil chances de morrer)
(Entre o sucesso e a lama)
(Quem não se acostumar com sistema enfrenta eles)

Salve quebrada, século XXI chegamos, mas quem diria? Na era da informação a burrice dando as carta, a ignorância dando as carta. Vamo buscar se informar, mano. Calma o jogo, entender o que tá acontecendo ao nosso redor, tá ligado, mano? Unido a gente fica em pé, nunca se esqueça disso, entendeu? A rua é nóiz!