Salve Black
Emicida

A vida levou cada um de nóiz
Prum canto, tormento
Espalha como estrelas sós
Folhas ao vento
Eis que tanto tempo após
Quatro elementos
Minha família, meu povo
Parceria cem por cento

Salve Black, (?) está n casa
Lembrando a todos vocês
Leste, oeste, norte, sul do nosso Brasil
Segura negão
Cumprimenta o seu irmão
Que tá do seu lado
Cês tão tudo aliado
O rap nacional nos fortalece
A gente conhece
Foi um pra cada lado
Um mano foi pro lado
O outro foi resolver o seus problemas
E olha só o resultado
Nos encontramos
Aí Emicida, Leandro
Um nego doido mandando um som

Calmo que é uma neblina de manhã
Roots, Studio One na lida
Vou tocando minha vida
E pã, mostro pique Fernando Alonso, eu ainda to na corrida
Vêm das casinhas singela, filhinho favela
Tem que ter suingue pra tocar nas panela
Ouvindo Ella Fitzgerald, bela viu
Uma rotina dar orgulha na bela, Gil
É o terror tipo Alligator
Esses rap aí que plantam semente, Terminator
Pode colar, mas se arrastar não deixo
Cês que liguem pro Yudi e vão jogar Playstation
Aê, brigado Cabo Verde, as mina, os cara
Obrigado Angola, brilho joia rara
Ainda tamo naquela, hip-hop não para
O mundo tá doente, eu mando a rima que sara
Sara e bate, saravá, firmão?
E já com Carlos Chapa quente, irmão
Rei da jamba, aê, satisfação
Hahaha... Pode pá, não esqueci não
Igual Lakers, Vinícius, Djose, Zala, Fióti
Comigo desde o início, eu disse que melhores dias viriam
Que corações novos sintonizariam
Entre leis que avariam
Pessimamente avaliam a natureza do coração do sujeito
O ódio puro é moda hoje em dia
Eu vim pra ser o amor inteligente a dizer
Vê direito, entendeu?
Salve Ni Brisant, salve Renan Inquérito
Salve Rodrigo Ciríaco, salve Sérgio Vaz
A rua é nóiz! Paz!

A vida levou cada um de nóiz
Prum canto, tormento
Espalha como estrelas sós
Folhas ao vento
Eis que tanto tempo após
Quatro elementos
Minha família, meu povo
Parceria cem por cento

Lembrando também que os verdadeiros
Os marginais que estão às margens da sociedade
Da periferia, que essa humildade
Se organizar e chegar na cultura única
Que nóiz temos nóiz mesmos
Temos que se conscientizar, se organizar
Se a cadeia está organizada
A rua também tá
Muito obrigado, deixo esse abraço
Um mano axé, a todos os negrão de boa
Assim que é, os verdadeiro
Os maloqueiro, os pichador
Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador
Aê negrão, aqui é periferia
Muito abraço a todos
Axé!