Absinto
Emílio Santiago

Eu bebo essas águas passadas
Como um vinho
Que não há de voltar do seu caminho
Pra acabar com essa sede que ainda sinto

Um absinto
De mágoa, de insônia e de saudade
Como se enlouquecendo esta metade
Voltasse a metade que foi contigo

Eu bebo
Quando fico assim desesperada
Quem me dera ficar apaixonada
Pra encontrar o outro lado do moinho

Eu me embriago
Porque meu futuro é muito vago
Eu sinto a tua falta do meu lado
Eu bebo a tua ausência de carinho

Águas passadas
Que vinho amargo
Que gosto tão ruim

Eu tenho sede
Eu tenho medo
Do que será de mim