Tareco e Mariola
Falamansa

Eu não preciso de você o mundo é grande
o destino me espera, não é você quem vai me dar na primavera
as flores lindas que sonhei no meu verão
eu não preciso de você já fiz de tudo pra mudar meu endereço
já revirei a minha vida pelo avesso,
juro por Deus não encontrei você mais não,

Cartas na mesa o jogador conhece o jogo pela regra, nem sabe tu

que eu já tirei leite de pedra,
só pra te ver sorrir pra mim não chorar.

Você foi longe, me machucando
provocou a minha ira, só que eu nasci
entre o velã e a macambira, quem é você pra derramar meu
mangozal

Eu me criei,
ouvindo o toque do martelo na poeira
ninguém melhor que Mestre Osvaldo na madeira, com sua arte
criou muito mais de dez

Eu me criei,
matando a fome de Tareco e Mariola, cantando os versos
dedilhados na viola,
por entre os becos do meu velho vassoral