De Volta Ao Futuro
Gal Costa

Em matéria de previsão eu deixo furo
Futuro, eu juro, é dimensão
Não consigo ver
Nem sequer rever
Isto porque, no lusco - fusco
Ora pitomba,
Minha bola de cristal fica fosca
Mando bola no escuro
Acerto o tiro na boca da mosca
Ouras tantas giro a Terra toda às tontas
Dobro o cabo das tormentas, rebatizo Boa-Esperança
E vou pegando pelo rabo a lebre de vidro
Do acaso por acaso
Em matéria de previsão só deixo furo
Futuro, eu juro, é dimensão
Vejo bem no claro
E tão mal no escuro
Minha vida afinal navega tal e qual
Caravela de Cabral
O marinheiro mete a cara na janela e grita
Sinal de terra. Terra à vista
Tanto faz, Brasil ou Índia Ocidental. Oriental
Ó sina, começa sempre a dança
Recomeça, sempre recomeça a dança da sinuca
Sempre recomeça a dança, a mesma dança da sinuca vital