O Menino
Gal Costa

Nuvens de tormenta, estrela-d'alva
Nunca venta, sempre lacre e breu
Nasce uma criança entre nós homens
O menino aguenta
O menino salva
O menino é eu
O menino sou eu

Nada vale, não, não vale nada
Tudo desde sempre se perdeu
Lágrimas no vale caem, somem
O menino nada
O menino homem
O menino é eu
O menino sou eu

Sangue escuro no meu coração
Noite sobre a terra e sobre o mar
Eis porém que vem essa criança
Eis a estrela-d'alva!

O menino salva as madrugadas
Nada contra a força da maré
Viro para o céu e olho na cara
O menino aguenta
O menino d'alva
O menino sou eu
O menino é eu

O menino é