Seguro Morreu de Velho
Jackson do Pandeiro

Seguro morreu de velho
Desconfiado ainda vive
Acordei apavorado
Com o sonho que eu tive
Sonhei que a minha cabrocha
Que é viva como um açougue
Dava bola pra seu rocha
O português do açougue

Que é coco não tem vez
Eu sei que a carne é fraca
Na mão desse português
Até o boi vira vaca
Vou usar de picardia
Eu já sei que ele é
Serve osso a freguesia
Mais gosta dum bom filé