As Cordilheiras
Léo Canhoto e Robertinho

Depois que partiste da terra magoada
Menina adorada eu sofro demais
Quisera de novo ganhar teu carinho
Em nosso cantinho de Minas Gerais
Recanto campestre no topo do mundo
Que marca bem fundo a recordação
Por que me deixaste tão cedo criança
Levando a esperança de meu coração

Compondo meu versos na noite vazia
Em minha poesia tu sempre influis
Sozinho na vida em meu abandono
Embalam meu sono teus olhos azuis

Manhã que assiste meu pranto na terra
Repica na serra, gentis rouxinóis
O sol clareando regatos e flores
Misturam-se as cores de mil girassóis
Saudade na tarde, lembranças benditas
Mas, tu hoje habitas os campos do além
E penso que algures tua alma sensível
O pranto impossível derramam também

Sonhei bem mais alto que as mantiqueiras
Ou as cordilheiras lá dos pigneus
É um sonho que morre na tarde formosa
Menina charmosa , meu anjo, meu Deus