Na Trilha dos Animais
Léo Canhoto e Robertinho

Seguindo a trilha dos animais
Eu entrei na selva pra me esconder
Minha vergonha era demais,
Eu me escondi pra ninguém me ver
Vergonha de ser chamado filho de Deus e nada fazer
Vergonha de ser um homem e não lutar
Pra matar a fome de quem não tem nada pra comer
Quando entrei lá na mata recebi vaia dos passarinhos
Os animais me olhavam sentindo medo, fiquei quietinho
Ouvi eles me chamando de matador frio e mesquinho
É o homem que queima a mata, destrói flora e nos desacata,
Matando até nossos filhotinhos.

Tentei falar mas não me deixaram me expulsaram fiquei sem graça
Volta para sua casa, vai viver junto da sua raça
Aqui não usamos droga, não temos armas e nem cachaça
Tem muitos da raça humana que até o próprio irmão engana
Se prostitui derrubando a praça

Aqui ninguém rouba o que é dos outros, não tem malandro nem trombadao
Não temos muros nem guarda ninguém aqui tem mal intenção
Você é a fera mais perigosa que reza e diz ter bom coração
Tem muito homem pior que um bicho, não serve nem pra jogar no lixo,
Ainda fala que é cristão

Voltei pra casa fiquei pensando em tudo aquilo que eles falaram
Nesse exato momento pra me roubar, bandidos entraram
Por eu ter pouco dinheiro fui humilhado e me maltrataram
Vamos voltar seu imundo, prepare a grana seu vagabundo
Foi o recado que eles deixaram

Coloquei grade de ferro e aço na minha casa, que crueldade
Os animais estão certos eles falaram a pura verdade
A casa virou cadeia, vivo trancado por trás das grades
Eu que sou justo, eu que sou bom vivo aqui fechado feito um ladrão
E muitos ladroes vivem em liberdade.