O Desprezado
Léo Canhoto e Robertinho

É tarde na noite e eu ainda estou chagando
Soluço baixinho sentindo em meu peito uma grande dor
Em meu triste quarto meu rosto de pranto esta molhado.
Dormir não consigo, estando distante do meu grande amor.

O vento murmura seu nome baixinho em minha janela
Por que meu benzinho me deixou assim nessa triste paixão
Me deu seu carinho, me deu seu amor, depois veio o desprezo
Agora me vejo sozinho calado nesta solidão.

Quem será que agora esta acariciando
Aquele rostinho eu muitas vezes acariciei
Será que alguém vive agora abraçando
Aquele lindo corpo que muito tempo eu abracei.