O Macaco e o Patinho
Léo Canhoto e Robertinho

Um macaquinho que morava na floresta
Ficava alegre quando vai a meninada
Batia palma e fazia muita festa
Ele gostava de dançar pra criançada.
Tinha um patinho que morava na lagoa
A garotada também gostava demais
Quando as crianças iam todas pra escola
O patinho ia na frente e o macaquinho ia atrás.

A tardezinha quando terminava a aula
Lá na escola estava os dois amigos
O macaquinho, o patinho tinham medo
Que as crianças corressem algum perigo.
Um certo dia bem na curva da estrada
Apareceu o tal de João Negrão
Ee amarrou a criançada pelos braços
E arrastou pra dentro de um buracão.

Falado:

- Ah, Ah, Ah, eu sou o João Negrão. Eu odeio as crianças, vou jogar vocês na minha panela gigante, vou fritá-la e come-las.
- Deixa nos ir embora, não faz isso não. Eu vou chamar meu pai. Você vai ver, oh João Negrão. Não cozinha nós não, eu quero minha mãe.

Narrador:

- Enquanto o João Negrão acendia o fogo sorridente, gargalhando e satisfeito, foi chegando o macaquinho e o patinho e os dois conversavam desse jeito.

Falado:

- Ué, é, é, é, é. Nós não podemos deixar o João Negrão cozinhar as crianças. Nós gostamos das crianças, não é macaquinho?
- Ih. Ih, ih, mas é claro que sim. Nós adoramos as crianças . sabe de uma coisa patinho, enquanto o João Negrão acende a fogo eu vou desamarrar as crianças. Tá bem?
- Ué, é, é, é, depois que as criancinhas estiverem soltas, cada um pega um tição aceso, vamos por fogo na barba e no cabelo do João Negrão.
- Ih, ih, ih, eu vou por fogo no bumbum dele.

Cantado:

Enquanto a fogueira ia queimando
João Negrão dava muitas gargalhadas
De repente o macaquinho foi gritando
E agora ataquem criançada.
Cada um pegou um tição bastante aceso
Foi um a guerra, foi um grande zum zum
O João Negrão chorava dizendo assim
Vocês queimaram minha cara e meu bum bum.

Falado:

- João Negrão não vai mais aparecer
Da meninada nós somos a esperança
Não precisa mais ter medo amiguinho
Nós somos amigo das crianças.

- Viva o Macaco e o Patinho
- Viva..!