O Presidente e o Lavrador
Léo Canhoto e Robertinho

Excelentissimo senho presidente
Aqui estou na vossa frente
Com muita admiração
É um brasileiro que vos fala nessa hora
Por favor me ouça agora
Oh nobre chefe da nação

É com respeito que venho a vossa presença
Falar com vossa excelencia
Para olhar pra gente nossa
Venho pedir para o senhor bom presidente
Olhai pela minha gente
Que trabalha lá na roça

Vossa excelencia precisa ir no interior
Pegar na mão do lavrador
E ver seu rosto queimado
Aqueles calos que ele tem eu lhe asseguro
É de um trabalho duro
Muito honesto e muito honrado

Esse meu povo é igualzinho uma formiga
Trabalha muito e não liga
Sempre foi batalhador
Por isso digo e repito novamente
Ajude senhor presidente
O meu querido lavrador

Pertenço a eles, eu falo de coração
Se for preciso beijoi a mão
Desse povo tão ordeiro
Bato no peito, grito alto, falo sempre
Sou filho de boa gente
Eu sou filho de um roceiro

Vim da roça esta fazendo muito tempo
Me lembro a todo momento
Do meu povo do interior
Porque meu sangue é de um povo hospitaleiro
Sangue de brasileiro
É sangue de lavrador