Vida Canalha
Léo Canhoto e Robertinho

Triste lembrança vive machucando a minha mente
Lembrança amarga de um grande amor que pra mim não morreu
Muito embora eu tentei de tudo para esquecer
Porem foi inútil, por que, esse amor não sai do peito meu.

Lembro seus olhos, lembro seu sorriso, lembro seu carinho
Lembro do jeitinho que meu bem deitava para repousar
Seu corpo ficava numa posição bastante provocante
Todo mal coberto fingindo dormir para me segurar.

Eu não via a hora de voltar pra casa depois do trabalho
Para ver meu bem, todinha aflita a me esperar;
Vestida somente com uma roupa muito transparente
E um gesto malicioso fazendo charminho pra me provocar.

Porém essa mulher que eu ainda mão tem a alma podre
Partiu e deixou esse grande dor que me retalha
Agora ela vive vendendo seu corpo a quem procura
Perdeu a vergonha e goza as delicias da vida canalha.