Caipira de Coração
Lourenço e Lourival

Eu fiz com carinho
No meu sitiozinho
Um simples ranchinho
Amarrado de embira

Fiz porta e janela
Todas com tramela
Fiz mesas daquela
Do gosto caipira

De lenha um fogão
Forno de assar pão
Também um pilão
Todo em sucupira

Monjolo e engenho
A tradição não tenho
Planto e sempre tenho
A minha cambuquira

Eu fiz de coqueiro
Um pequeno celeiro
Curral e chiqueiro
Para criação

Eu fiz de sarilho
Um poço de atílio
E a roça de milho
Lá no espigão

Fiz remo e canoa
Caprichei na proa
Com madeira boa
Aqui do sertão

Fiz um samburá
Para eu pescar
Traíra e cará
Lá no ribeirão

Eu fiz a machado
Um cocho pro gado
Um banco talhado
Do cerne do ipê

E quatro cadeiras
Uma prateleira
De sisal a esteira
Para adormecer

O sol me atrapalha
Na minha batalha
De chapáu de palha
Pra me proteger

Fiz pra contemplar
Uma igreja e um altar
Aonde vou rezar
E tudo agradecer

Sou um homem do campo
Igual pirilampo
E assim eu estampo
Na minha canção

O brilho roceiro
Desse brasileiro
Puro e verdadeiro
Espelho da nação

Eu sou a raiz
Do nosso país
Me sinto feliz
E sem pretensão

O que me inspira
É o som da catira
Por sou caipira
De coração