Canto Chorando
Lourenço e Lourival

Quando prendemos na gaiola um passarinho
Se ele pudesse nos dizer assim diria
Por que prender-me nessa cela para sempre
Por que tirou-me da floresta em que vivia

Vendo distante o céu azul eu me recordo
Daquele tempo que eu voava livremente
Tinha o espaço sem divisa e sem fronteira
E a largura do horizonte em minha frente

E hoje o homem ao me ver aqui cantando
Não imagina como está meu coração
Este meu canto é um lamento de tristeza
É o meu modo de chorar nesta prisão

Como estará o botão da flor vermelha
Que eu esperei desabrochar de madrugada
Como estará o lago azul e as verdes mata
Aquele pé de manacá beirando à estrada

Se para o homem eu cantei sem cobrar nada
E o meu canto fez ninar um filho seu
Por que levou-me longe do meu ninho
Onde sem nada o meu filhinho morreu

E hoje o homem ao me ver aqui cantando
Não imagina como está meu coração
Este meu canto é um lamento de tristeza
É o meu modo de chorar nesta prisão