Cruel Destino
Lourenço e Lourival

Helena era uma linda moça
Filha de um rico doutor, ai
Adaltério um moço pobre
Mas muito trabalhador
Se amavam desde criança
E cresceram naquele amor

Pra Heleninha era só esse, ai
Que aliviava a sua dor
Seu coração já estava entregue
Pra aquele botão de flor

No jardim que se encontravam
Era o ponto acostumado
Cada dia que passava
Seu amor era dobrado
Sua mãe chamou e lhe disse
Que seu pai tinha falado

Que o casamento de Helena
Breve ia ser realizado
Pra casar-se com um francês
Um moço rico apreparado

Coitadinha quando soube
O seu dia estava chegando
Também foi se entristecendo
Naquilo ela foi pensando
Desprezar o meu amor
Querido de tantos anos

Com outro também não caso, ai
Conseguiu naquele plano
Pois antes prefiro a morte
Que casar com esse fulano

Recolheu-se no seu quarto
Com um revólver carregado
Trazia uma carta escrita
E muito bem explicado
Vou morrer porque não quero
Ver outro moço ao meu lado

E vestiu o vestido branco, ai
Que eu ainda tenho guardado
Que era pro meu casamento
Que papai tinha comprado

A morte dessa mocinha
O mundo se balançou, ai
O sofrimento de Adalto
Só oito dias durou
Ele foi no cemitério
E na campa debruçou

É o derradeiro presente, ai
Heleninha que eu te dou
Cravou o punhal no peito
Coração atravessou

Dois coração que se une
Deve ter amores iguais, ai
Senhores pais de família
Volte bem o tempo atrás
Que o correr do mundo deve
O quanto de prumo sai

Obrigar um coração, ai
É coisa que não se faz
O amor é como um vidro
Se quebrar não volta mais