Espelho velho
Lourenço e Lourival

Balanço

Moro num prédio breguete sem porteiro e zelador
Numa velha quitinete, solitário e sonhador
Ela mora bem em frente numa linda cobertura
No mais fino ambiente, na mais rica compostura

O meu quarto é tão singelo sem cortina e sem TV
Só tem um espelho velho onde dela posso ver
Sua nudez sem limite toda sua intimidade
Nessa hora a quitinete vale por toda a cidade

Quando a vejo sem biquíni sinto uma sensação
Tão gostosa e tão sublime, além da imaginação,
Se meu espelho falasse me chamaria de louco
Por fazer amor com ela sem poder tocar seu corpo.

O meu quarto é tão singelo sem cortina e sem TV
Só tem um espelho velho onde dela posso ver
Depilando com gilete parte de sua intimidade,
Nessa hora a quitinete vale por toda a cidade