O Telefone Chora
Lourenço e Lourival

- Alô!

- Escuta, se a mamãe está, diga que me atenda. Preciso lhe falar.

- Acho que você é o mesmo que telefonou da outra vez não é?
Eu acho que ela tá tomando banho e não pode atender agora

- Diga que é preciso e que é importante, que venha me escutar

- Tá bom, Mas eu acho que você fez alguma coisa pra ela
Porque da outra vez, quando fui chamar, ela disse baixinho
"Diga que a mamãe não está"

- Me conta o seu titio é bom? Você vai à escola? Já fez a lição?

- Fiz, sabe, quando a mamãe trabalha é a vizinha que me leva na escola
Mas a mamãe assina o boletim. Os dos outros quem assina é o papai, mas o meu não!

- Sabe, há sete anos que eu estou sofrendo. A idade que você já tem.

- Eu não, só tenho seis anos, você conhece a minha mãe?
Ela nunca falou de você. Peraí que eu vou chamar

O telefone chora e ela não quer falar
Pra quem dizer "te amo" se ela não vem me escutar
O telefone chora, compreende o meu penar
Pois sabe que ela não vai perdoar

- E quando você está de férias no hotel da praia?
Você gosta do mar?

- Gosto!, gosto de brincar na areia e também já sei nadar
Mas como você sabe que eu adoro a praia?
Você já esteve lá alguma vez?

- Sim, há muitos anos depois deixei vocês, mas eu as amo

- Você me ama? Mas eu nunca vi você
Por que você mudou a voz? Você tá chorando!

O telefone chora e ela não quer falar
Pra quem dizer "te amo" se ela não vem me escutar?
O telefone chora, compreende o meu penar
Pois sabe que ela não vai perdoar

O telefone chora pra nunca mais chorar
Quando souber porquê compreenderá

- Diga que atenda!

- Ela tá saindo!

- Diga que espere!

- Ela já foi

- Se ela já foi, então, adeus

- Tchau!