O Vagabundo
Lourenço e Lourival

Enche um copo, garçom, atenda o seu freguês
Hoje vou me entregar ao vício da embriaguez
Nada importa a ti se eu fiquei nesse estado
Se pago o que bebo
Por isso não se importe que eu fique embriagado

Quero ficar perturbado com o vapor da bebida
Quero esquecer uma dama que estragou a minha vida
Somente Deus é quem sabe o quanto eu venho sofrendo
Sou um vagabundo
Só aguento este mundo nos bares bebendo

Mais um copo, garçom
Que te importa que eu fique embriagado um bêbado
Um perdido, um vagabundo
E só bebendo que esqueço as amarguras desse mundo