Sócio Amigo
Lourenço e Lourival

Eu roí osso, comi carne de pescoço
Sem janta e sem almoço muitas vezes eu fiquei
Braço direito da empresa era ela
Seu sócio e amante dela seu pedido era lei.

Eu confiava, ela vendia e comprava
Entretanto me lesava em promissórias alteradas
A nossa empresa em suas mãos era um perigo
Por eu ser um sócio amigo não desconfiava de nada

Ela foi lobo e quem confia hoje é bobo
Não sei dizer se foi roubo ou se ela agiu com arte
Foi muito fácil me levar na picardia
Por pequena mixaria ela ficou com minha parte.

Mas por enquanto prevalece seus encantos
Os seus amantes são tantos que ela até me esqueceu
Ficou com ela tudo que eu tinha direito
Inclusive o próprio leito que ela usa já foi meu.