Feitichismo
Maldita

Mãos no meu quadril, dedos entrelaçados
Uma palavra da boca ressecada e o silencio é quebrado
Nascido de mim mesmo, da minha inocência
É um reflexo do passado da minha falta de experiência

Prazer maligno, orgasmo sombrio
Prazer maligno, orgasmo sombrio
Me diga que não me diga que não
Me diga que não, me diga que não
Mas não podia deixar de acreditar
Mas não podia deixar de me envolver
Prazer maligno, orgasmo sombrio
Não me machuque, me diga que não
Mas não podia esperar, não podia suportar
Feitichismo, prazer e dor
Feitichismo, prazer e dor
Não consigo parar de me machucar
Não consigo parar de me machucar
Onanismo, prazer e compulsão
Onanismo, prazer e compulsão

Deitado no meu quarto, entre quatro paredes
Nós conversamos e nós brigamos e trepamos tantas vezes


Prazer maligno, orgasmo sombrio
Prazer maligno, orgasmo sombrio
Me diga que não me diga que não
Me diga que não, me diga que não
Não podia desperdiçar
Não podia deixar de transgredir
Proxenetismo, objeto sexual
Proxenetismo, objeto sexual
Não podia esperar, não podia suportar
Feitichismo, prazer e dor
Feitichismo, prazer e dor
Não consigo parar de me machucar
Não consigo parar de me machucar
Masoquismo, incesto e felação
Masoquismo, incesto e submissão

Não posso mais, suportar, eu cheguei no meu limite
O corpo cansado antecipando
O requinte dos requintes