Menino Folgazão
Marco Brasil

Certa vez, era uma vez
Um menino folgazão
Calça curta, unhas compridas
Cara suja, pés no chão
Coração tão inocente
Palpitante de alegria
Freqüentava a escolinha
O B A BA aprendia
Belém, Belém, Belém
Logo o sino tocava
Saia da escola
E pela rua disparava
"Mamãe já vou brincar"
Em pensamento avisava
Somente à tardinha
Pra casa retornava
À noite luar tão lindo
Já cansado de brincar
De bobinho e cabra cega
Pega-pega e de salvar
Sentava para ouvir história
E os mais velhos a contar
De baba ia encantado
E outras de arrepiar
Não dormia sozinho
Por causa do pesadelo
Um calafrio no corpo
Arrepiava os cabelos
Rezava a noite inteirinha
Luz acesa, ai que medo!
E o sabido corajoso
Levantava logo cedo
Jogava bola de meia
De bugre de capotão
Empinava papagaio
E rodava seu peão
Caçava de estilingue
Arapuca e alçapão
E andava no cordinho
No cavalo e no alazão
Belém, oxê, Belém
Choro ao ouvir o sino
Porque meu filho não tem
Meus brinquedos de menino
Quem sabe um dia apareça
Um cara suja, pés no chão
Que iluminado por Deus
Modifique essa nação
Sem trair a esperança
De um povo humilde cristão
Rosto e coração risonho
Que faça da vida um sonho
Livre de preocupação