Resto de Gente
Milionário e José Rico

Não sou agressivo ao menos que o
Mundo me torne assim
Sou um homem perdido vagando na vida
De uma sombra sem fim
Sou resto de gente na frente dos olhos
De quem quiser ver
Mas tenho a esperança que um dia melhor
Amanhã vou viver

Recordo o passado e vejo uma vida de felicidade
Onde eu fui o mestre e o dono da casa
E o rei da bondade
Falsos elogios fingidos amores
A mim se entregaram
Acabou meu dinheiro e os meus companheiros
Me abandonaram

Senhor...!
Eu não reclamo nem lastimo minha sorte
Te rendo graças por tornar-me um homem forte
Pelo castigo que me impõe compreender

Senhor...!
Me mande alguém a quem matei a fome outrora
Para que me encontre e me estenda a mão agora
Para que eu possa minha vida refazer

Para que eu possa minha vida refazer