O Viajante
Padre Zezinho

Eu tinha tanta fome de ir embora,
Pra ver a vida como a vida era,
Pra aquele teu conselho eu não liguei,
Agora eu vejo o quanto me enganei

Refrão
Manda-me um bilhete de regresso ou venha me buscar não ando bem.
Pensei que abandonar-te era progresso
Mas sem o teu amor não sou ninguém.

Peguei a minha herança e fui embora
De todos os manjares eu provei
Não houve nada que eu não fiz lá fora
Mas nem por isso eu me realizei

Dinheiro, amores, drogas, malandragem
Eu tinha tudo isso e muito mais
Gastei a minha herança na viagem
Comprei a vida mas não tenho paz

Eu vi a vida como a vida era,
E vi que a vida às vezes dói demais,
Viver sem teu amor é uma quimera
Eu volto a ser teu filho pra ter paz

Aos poucos eu ensaio aquele abraço
Que um filho arrependido dá no pai
Na hora em que eu voltar ao teu regaço
Te juro que eu não saio nunca mais