Quietude
Padre Zezinho

Foi vendo as coisas que eu vi, foi procurando entendê-las
Foi contemplando as estrelas que eu aprendi a rezar.
Foi perguntando por ti e se é verdade que existes,
Que não nos queres ver tristes
Que eu comecei a cantar.

Foi no balanço das ondas foi no murmúrio do mar.
Foi vendo o vento que vinha, voltar levando as nuvens consigo.
Foi onde as águas se encontram e os rios entram no mar.
Que eu aprendi novamente a rezar, e me tornei teu amigo.

Foi quando as folhas farfalham numa algazarra sem par, foi quando as aves a tagarelar
Vão procurar seu abrigo.
Foi quando a tarde se esconde
Lá no outro lado do mar,
Que eu comecei, de repente, a chorar,
E me tornei teu amigo.

Foi vendo nuvens e rios e vento e chuva e luar.
Foi vendo o sol lá no céu a brilhar, iluminando os meus dias.
Foi vendo os grandes mistérios, que ninguém sabe explicar. Foi vendo a vida teimando em voltar,
Que eu descobri que existias.