Jeito de Mato / Céu Vermelho
Paula Fernandes

Há uma estrada de pedra
Que passa na fazenda
É teu destino, é tua senda
Onde nascem tuas canções

As tempestades do tempo
Que marcam tua história
Fogo que queima na memória
E acende os corações

Sim, dos teus pés na terra nascem flores
A tua voz macia aplaca as dores
E espalha cores vivas pelo ar
Ah, ah, ah

Sim, dos teus olhos saem cachoeiras
Sete lagoas, mel e brincadeiras
Espumas ondas, águas do teu mar
Ah, ah, ah
Ê, laiá

Agora peço o teu perdão, o teu colinho
Pra que a gente possa então recomeçar

Ó, minha linda, olhe bem pros meus olhinhos
Tão rasos d?água de emoção por te encontrar
A cada passo que perdi pelas estradas
De solidão estou cansado de chorar

Mesmo distante não saiu do pensamento
Aquele doce do teu mel, do teu beijar
Lembro do tempo em que amávamos baixinho
Pra não deixar nenhum lençol nos invejar

Desde o momento em que nós nos separamos
Eu viajei no céu vermelho do penar
Agora peço o teu perdão, o teu colinho
Pra que a gente possa então recomeçar