A Vingança do Caçador
Teodoro e Sampaio

Num ranchinho beira córrego lá no fundo de UM grotão
Naquela noite de geada era só recordação
Um rapaz ao pé do fogo cariciando um velho cão
Ouvia de sua mãe a cruel revelação
Há muitos anos meu filho você era um inocente
Seu pai estava caçando nisso surgiu de repente
Um caçador de tocaia matou ele injustamente
Só a buzina do malvado eu guardei na minha mente

Na face do pobre moço rolou lágrimas sentidas
Nisso surge muito longe um barulho de corrida
O cão também percebeu e a velha com voz tremida
Disse ao filho esta buzina não me é desconhecida
O rapaz que nem um raio na espingarda passou a mão
Deu um salto no terreiro e marcou a direção
Esse toque não é outro lhe dizia o coração
É o covarde que matou o meu pai a traição

O moço entrou na mata a velha ainda gritou
Meu filho deixe que Deus faz justiça ao traidor
O pedido de sua mãe ele fez que não escutou
Só depois de duas horas pro seu rancho ele volto
Ao abrir sua patrona a velha soltou um ai
Não tenha medo mãezinha disse com calma o rapaz
Eu fiz a maior caçada outra igual não faço mais
Trazendo a mão assassina que matou meu pobre pai