Lição de Moral
Teodoro e Sampaio

Numa festa de peão que eu fui, vi um caso muito interessante

Chegou um moço na hora da festa, de um lugar não muito distante

Pelo carro que ele conduzia, só podia ser gente importante

Não pensei que fosse o rei do laço que chegava naquele instante

E ouvindo o som do rodeio, anunciando para os visitantes

Que o peão que laçasse na raça, ganharia o prêmio e a taça

E ser rei do laço já era bastante

O tal moço com jeito educado, lentamente desceu da geral

Foi pedir uma oportunidade, pra laçar o bravil animal

Foi dizendo para a pionada se não pode também não faz mal

Neste instante respondeu ao homem, sou repórter de um grande jornal

Minhas palavras de jornalista, talvez seja a lição de moral
Você não deve entrar nesta luta, porque é uma grande disputa

Também é somente pra profissional

O festeiro ouviu a conversa, foi chegando com um laço na mão

E dizendo para o visitante, se insiste não faço questão

Mas também não serei responsável, se tiver uma decepção

E o moço quando entrou na arena, foi vaiado pela multidão

Nesse instante escapou um mestiço, foi momento de grande emoção

Com o pé ele jogou o laço, e laçando sem usar os braços

Deixando a platéia de cara no chão

Alim Silva falou pro festeiro, não pretendo lhe aborrecer

Mas o prêmio que recebo agora ao senhor eu quero devolver

Com o laço no pé consegui, mais de 500 taças vencer

Em virtude da recepção, um convite quero lhe fazer

Moro na região de Rio Preto, se melhor quiser me conhecer

Vá a minha fazenda em Cardoso, saborear um churrasco gostoso

E cantar de viola até amanhecer