Meu Pai
Teodoro e Sampaio

Cansado da luta e dos trancos da vida
Saudade doida bateu pra valer
Lembrei do meu pai lá no sítio nosso
Oh meu velho eu não posso ficar sem te ver

Cheguei bem cedinho na cerca de arame
Eu vi um enxame de abelha subir
No velho mourão do chão estradeiro
Exalava o cheiro do mel jataí
Batendo o orvalho da alta pastagem
Eu criei coragem pro rancho eu desci
Gritei no terreiro e ninguém na palhoça
No eito da roça meu velho eu vi

Beirando o acero fui subindo o trilho
Na roça de milho eu entrei devagar
E o sol nessa hora mostrava seu brilho
Meu pai é seu filho eu vim te abraçar
E o velho tirou da cabeça o chapéu
Olhando pro céu pegou a chorar
Dizendo meu filho que roupa limpinha
Não rele na minha pra não se sujar

No peito do velho o suor corria
Até parecia nina da biquinha
Meu filho a água está no arvoredo
Eu trouxe hoje cedo a porunga cheinha
Até meu almoço já está preparado
Deixei pendurado no galho da arvinha
Eu fiz hoje cedo bem madrugadão
Arroz e feijão, jabá com farinha

Por suas palavras eu já decifrei
E sobre mamãe nem quis perguntar
Na roupa do velho guaxuma miúda
E as mãos cascudas que nem jatobá
E ele me disse ali nessa hora
Você vai embora onde vai pousar
Papai eu vou indo não se aborreça
Antes que anoiteça eu preciso voltar

Eu beijei o rosto do meu pai amado
Entrou no roçado sultão foi atrás
Eu também saí chorando escondido
Meu velho querido eu te amo demais