O Milagre da Vela
Tião Carreiro e Pardinho

Lá no bairro aonde eu moro
Um dia desses passados
Se deu um causo impressionante
Que ficamos admirados
Uma vizinha de casa
Que há tempo tinha aviuvado
Ficou ela e três filhinhos
Residiam num sobrado
O velho quando morreu ai
Deixou alguns cobres guardados

Era meia noite e meia
O relógio tinha marcado
E a viúva não dormia
Virando por todo lado
Quando quis pegar no sono
Escutou um forte chamado
Ela então reconhecer ai
Que era a voz do seu finado
Vai acudir nossos filhos
Para não morrer queimados

A velha virou pro canto
Pensou que tinha sonhado
Quando a voz se repetia
Vai fazer o meu madado
Ela levantou depressa
E o quarto estava trancado
Arrombou a porta e entrou ai
Num gesto desesperado
Uma vela sobre a mesa
Já com fogo no toalhado

Com o barulho da porta
Os menino acordou assustado
E a mesinha em labareda
Na cama estava encostada
Meus filhos pra que esta vela
Se a força não tem faltado
Minha mãe 15 de Agosto
Nós estamos bem lembrados
Que hoje completa um ano
Que papai foi sepultado