Ave de Prata
Zeca Baleiro

É muito mais do que muito
Muito mais do que quantos anos todos piorei
É muito mais do que mata
Muito mais do que morrem todos pela planta do pé

É muito mais do que fera
Mais do que bicho quando quer procriar
Uma espécie, sementes da água, mistérios da luz

É muito mais do que antes
Mais do que vinte anos multiplicar
Dividir a mentira
Entre cabelos, olhos e furacões

Inventar objetos
Pela esfinge quando era mulher
Ave de prata
Veneno de fogo
Vaga-lume do mar

O mar que se acaba na areia
Gemidos da terra apoiados no chão

Entre todos que usam os dentes do arpão
Apoiados em cada parede pela mão
Pela mão, que criou, tantas trevas e luz

E cada coisa perdida
Perdidamente pode se apaixonar
Pela última vida
Poucos amigos hão de te procurar

Como é o silêncio?
E nesse momento, tudo deve calar
Numa história que venha do povo
O juízo final