Azulejo
Zeca Baleiro

Era uma bela, era uma tarde, o casaril.
Era um cenário de um poema de Goulart
Tão de repente ela sumiu numa viela
Eu no sobrado ví uma sombra em seu lugar
Cada azulejo da cidade ainda recorda
E cada corda onde tanjo a minha dor
No alaúde da saudade, num velho banjo, num bandolim chorando o fim do nosso amor.

A primavera bem virá depois do inverno
A flora em festa nos trará outro verão
Eu fecho a casa do adeus ao gelo eterno
Vou viver de brisa, arder em brasa no calor do Maranhão...