Seca Verde
Zezé Di Camargo e Luciano

Coifar a fogueira, queimada roseira
Enxada na cova, berduega na beira
Domar pau urtiga, na folha a formiga
A chuva não chega, a seca nos tira

Vontade de plantar e colher
E nem água pra beber
Vontade de plantar e colher
E nem água pra beber

No ombro o bornal, açúcar e sal
Feijão e farinha, cristal na lapinha
O tempo nos rouba a água salobra
Algodão nenhuma arroba de fruta só pinha

Juazeiro ainda está verde
E essa gente é feliz
Vai matando sua sede
Grudado na sua raíz

Se eu fosse água
Do velho Chico inundaria essa terra
Então faria outro tipo de guerra
Sem fome só de fartura

Mas eu não sou água
E nem sou rico pra poder fazer
O velho Chico escorrer
Nesse chão rachado nessa terra dura

Nessa seca verde mora um povo nobre
Morrendo de sede nessa guerra pobre
Nessa seca verde mora um povo nobre
Morrendo de sede nessa guerra pobre

Se eu fosse água
Do velho Chico inundaria essa terra
Então faria outro tipo de guerra
Sem fome só de fartura

Mas eu não sou água
E nem sou rico pra poder fazer
O velho Chico escorrer
Nesse chão rachado nessa terra dura

Nessa seca verde, mora um povo nobre
Morrendo de sede nessa guerra pobre
Nessa seca verde, mora um povo nobre
Morrendo de sede nessa guerra pobre